Pensando a brochada cósmica

O texto de Pedro dá nomes a alguns fenômenos que observamos com cada vez mais freqüência e intensidade, e que giram em grande parte em torno de um culto à mediocridade, ao cinismo, à completa banalização e desprezo de qualquer aspiração de transcendência. Note que quando aqui digo transcendência estou falando no sentido mais amplo possível, de superação, de ver mais longe, de fazer melhor, de compreender mais perfeitamente, de não se contentar com o que é fácil, simples, óbvio ou cômodo.

Trata-se de algo tão onipresente que por vezes fica até difícil de enxergar claramente, mas há modernamente uma pressão social fortíssima para que não se busque fazer nada com excelência. Se alguém demonstra qualquer inclinação nesse sentido, imediatamente começa a receber reações cujo subtexto vai desde escárnio condescendente nos casos mais brandos até “quem você pensa que é” quando a intenção é realmente séria.

Existem muito motivos para isso e o processo é complexo, mas uma boa parte vem de um acordo tácito em investir na profecia auto-realizante da falta de sentido. Em outras palavras, vamos todos combinar sermos uns merdas que desde que não haja contra-exemplo podermos nos confortar no pensamento que não existe realmente nada melhor do que isso. Por isso quem tenta fazer melhor incomoda – vai que o sujeito consegue e então a desculpa da inutilidade de sequer tentar torna-se menos admissível. Por isso as pessoas aplaudem no final do filme quando se discursa sobre os méritos de desistir; porque a opção seria o sujeito que desiste ser na verdade um otário e nesse caso temos que escolher entre sermos também otários ou realizar um grande esforço de autosuperação.

Interpretando expressões comuns 2

Não há como resistir a tentação de dar minha contribuição à lista iniciada por Pedro…

Você é pretensioso. – Você ousa achar que sabe algo que eu não sei, e isso é um absurdo.

Vamos decidir democraticamente. – Que tal se a gente parar de discutir idéias e ao invés disso fizer um concurso de popularidade?

Precisamos melhorar a educação no Brasil. – Precisamos emitir mais diplomas para mais pessoas.

Precisamos proteger o grupo XXX de discriminação. – Precisamos criar a ilusão de que quem não der dinheiro para mim odeia o grupo XXX.

Precisamos regulamentar a profissão XXX. – Precisamos entravar ao máximo possível o acesso à profissão XXX para aumentar os privilégios de quem tiver autorização para exercê-la.

Se eu deixar você fazer isso vou ter que deixar todo mundo. – Não existe nenhum motivo coerente para esta regra existir mas eu gosto dela.

Sua opinião também é válida. – Vou ignorar completamente a sua opinião.

Essas são as tendências mais modernas nos EUA e na Europa. – Eu li na revista Veja que uma vez em 1976 alguém tentou isso no Canadá.

Todo mundo sabe que XXX. – Eu não faço a menor idéia de por que estou defendendo que XXX seja verdade.

E, last but not least:

Há que se endurecer sem perder a ternura. – Há que se perder a ternura mas sem admitir abertamente.

Mahmoud Ahmadinejad em Columbia

Mahmoud Ahmadinejad em Columbia - Daily News

A polêmica desta semana aqui em Nova York é sucintamente resumida nesta manchete de página inteira. O presidente do Irã foi convidado a falar nesta segunda-feira que vem num evento promovido pela Universidade de Columbia em Nova York. Um número não pequeno de americanos está furioso com isso. Eu pessoalmente tenho um monte de opiniões sobre esse assunto, mas para não influenciar os leitores, vou deixá-las em suspense por enquanto… 🙂 Entre as confusões diplomáticas que envolvem essa visita, ele queria ir ao Ground Zero e fazer um discurso condenando o ataque de 9/11 e homenageando as vítimas, mas a cidade de Nova York respondeu oficialmente algo como “no f***ing way”.

By the way, diretamente do site de Columbia :

“Due to security restrictions, only those on the registration list will be able to gain admission to this event. There will be no waitlist for registration or standby line, and no walk-in guests will be permitted on the day of the event.”

Infelizmente não estou na tal “registration list”. 🙂

Pessoas aleatórias tocando no metrô de Nova York

E aqui está ainda mais uma outra manifestação musical radicalmente diferente das duas anteriores. Infelizmente só peguei o final, mas o par idêntico era imperdível…

Aqui em Nova York cultura realmente é uma coisa que se respira no ar, não apenas se ensina na escola ou se vê nos livros. Existe uma grande concentração de pessoas que tocam instrumentos, escrevem, compõem, fazem números cômicos de improviso, lêem papers científicos, atuam em teatro, pintam, dançam, etc, etc, etc. Em todas as boas universidades que visitei existe um (por vezes vários) pianos de cauda espalhados pelo campus, disponíveis para quem quiser sentar e tocar. No campus principal de Columbia, por exemplo, sem qualquer conexão direta com a escola de música, sei da localização de pelo menos três – um deles numa das salas de leitura do departamento de filosofia – o qual aliás, ocupa um prédio inteiro. Na sala de estar do departamento de matemática da NYU também há um. E os alunos – de matemática! – de fato sentam e tocam. Entra-se lá e tem alguém tocando Chopin, por exemplo. Na PUC do Rio, teoricamente um dos diamantes na coroa do mundo acadêmico brasileiro, cadê? Onde está a valorização espontânea da alta cultura fora da sala de aula e dos relatórios à Capes? Ah, sim, deve estar nos sujeitos que ficam tocando berimbau nos pilotis.

Aliás, ironicamente, isso *não* falta aqui. A coisa mais fácil do mundo é achar uma academia que ensine capoeira em Nova York. Difícil é achar no Brasil alguém tocando Chopin no intervalo entre as aulas.

Pessoas aleatórias tocando no metrô de Nova York

Este vídeo aqui infelizmente está com uma qualidade de som bastante prejudicada pelo ruído de pessoas conversando e trens passando. Mas também, o que esperar de algo que foi gravado quase na entrada de uma das estações de metrô mais movimentadas do mundo? Diversas plataformas em diferentes profundidades permitem acesso a túneis de diferentes linhas. Acima disso tudo, na superfície, fica o Times Square.

Mesmo com todo esse barulho, achei que valia a pena exibir o vídeo. Contraste-se o que esses sujeitos estão tentando fazer com algo menos ambicioso como, por exemplo, ficar batucando num balde.

Em seguida, observe-se o fato de que essa performance está tendo um sucesso financeiro (e de público) infinitamente superior a batucar num balde.

Tirem-se as apropriadas conclusões socio-político-econômico-antropológicas.

O papel dos blogs no debate público

Complementando este texto de Pedro, gostaria de fazer um comentário sobre o papel dos blogs no mítico “debate público”.

Os blogs são um formato de comunicação que permite que seres humanos individuais expressem publicamente praticamente qualquer elocubração que suas mentes conceberem. Podem ser usados para compartilhar opiniões, disseminar informações, propagar fofocas ou denúncias, publicar fotos de mulheres atraentes, contar piadas, simplesmente falar besteira ou mais uma coleção infinita de possibilidades.

A parte revolucionária disso vem, a meu ver, basicamente de dois fatores.

Em primeiro lugar, virtualmente qualquer pessoa, independentemente de recursos financeiros, posição social, localização geográfica, títulos acadêmicos, aptidão física, profissão, raça, idade, religião, enfim, qualquer um – pode iniciar um blog e o mundo inteiro terá acesso a seus, digamos, pensamentos. Não só terá acesso como acesso permanente, prático e instantâneo. Eu clico em “publicar” e um sujeito no interior do Japão pode imediatamente ler o que escrevi. Isso é uma diferença gigantesca com relação a como as coisas funcionavam até não muito tempo atrás.

O segundo fator é que pelo menos em grande parte de nossa sociedade ocidental, a liberdade para expressar opiniões em blogs é praticamente ilimitada. Isso não é verdade em todo o mundo (experimente criticar o governo em seu blog na China), nem sobre qualquer assunto (experimente postar fotos de crianças nuas ou, em praticamente qualquer país que não os EUA, dizer que Hitler era maneiríssimo), mas de forma geral existe uma liberdade infinitamente maior do que jamais existiu no passado. É uma tênue esperança de liberação da máxima atribuída a Goebbels – “He who controls the medium controls the message. He who controls the message controls the masses”.

A mídia organizada, cara e onipresente ainda tem em grande parte o monopólio das ferramentas de lavagem cerebral, em grande parte porque uma das táticas mais efetivas de lavagem cerebral é justamente todo mundo receber a mesma mensagem – seja ela qual for – ao mesmo tempo. Mas ela não tem mais o monopólio da informação. Qualquer um com iniciativa consegue rapidamente encontrar análises, desconstruções, desmentidos e críticas ao que é veiculado na grande mídia. Mais do que isso, freqüentemente consegue acesso a fotos, vídeos, documentos, testemunhos e até mesmo contato direito com as fontes originais das informações, de forma que fica muito mais bem equipado para formar uma opinião independente. Uma grande parte desse trabalho é realizado por blogs. Os quais, em toda a sua multiplicidade, naturalmente levam o indivíduo ao pensamento crítico com muito mais probabilidade do que qualquer fonte oficial e homogeneizada de informação.

Dessa forma o estrondoso (possivelmente inevitável) fracasso da grande mídia em promover qualquer real “debate público” do que quer que seja é tornado progressivamente irrelevante diante do debate público que caoticamente ocorre nas interações diretas entre indivíduos através da internet. Não necessariamente isso ocorre através de um diálogo organizado, mas sim principalmente através de uma rede de influências cruzadas entre pessoas que pensam independentemente mas que se lêem umas às outras. É como um debate escolástico assíncrono, descentralizado e espontâneo. Cabe a cada um julgar por si a qualificação e a honestidade moral das opiniões que levará em conta.

Reflexões sobre a prostituição em tempos modernos

Soliciting Discreetly

Hoje fiquei pensando sobre como a poligamia nas sociedades islâmicas deve ter um efeito colateral não intencional : necessariamente, haverá homens que nunca terão esposas. Mais do que isso, o número de homens sem esposas será sempre superior ao de mulheres sem maridos, e será tão maior quanto mais polígama for a sociedade. Considerando além disso a atitude dominante nas sociedade islâmicas sobre sexo fora do casamento, não é de admirar que as mulheres sejam proibidas de saírem sozinhas na rua, tenham que usar roupas que escondam suas formas, e que em tais países as pessoas estejam dispostas a se explodirem em nome de Alá esperando com isso irem parar num paraíso cheio de virgens. Eu, pessoalmente, não vejo nada de terrivelmente errado com a poligamia (supondo que os envolvidos a aceitem voluntariamente e construtivamente), mas há de se convir que se ela for somente masculina (que é mesmo a que biologicamente faz mais sentido), isso contém em si as sementes de uma tensão social constante.

Aí eu pensei que uma forma de compensar (parcialmente) isso seria haver umas poucas mulheres que prestassem à sociedade o serviço público de transarem com os homens que ficassem sem esposas/parceiras. Só que tais mulheres já existem em todas as sociedades – são as prostitutas. Então em comecei a pensar sobre o papel que elas têm nas sociedades cristãs, e acabei por concluir que elas prestam um excelente e muito saudável serviço à comunidade.

Porém, apesar disso, a prostituição é quase sempre cercada de um estigma negativo. Mas pensemos com cuidado. Uma prostituta faz mal a alguém? Não, ela presta um serviço ardentemente desejado por seus clientes. O argumento normalmente utilizado é que esse serviço seria degradante para a própria prostituta, que é colocada como vítima. A construção dessa descrição da prostituta como “vítima” geralmente se dá por duas vias : 1. prostituir-se seria intrinsecamente degradante e 2. para muitas mulheres, a prostituição seria imposta, e não voluntária.

Comecemos pelo segundo ítem. Impor uma profissão a qualquer pessoa já é ilegal. Um trabalhador rural, por exemplo, que seja contra a sua vontade mantido em sua profissão ou ligado a um empregador específico, seja sob ameaças, por contatos abusivos, por falta de meios de escapar, por não poder pagar dívidas ou por qualquer outro motivo, terá pleno apoio da lei e das instituições em quase todas as sociedades modernas. Não que o trabalho escravo tenha desaparecido completamente da face da terra, mas o que o caracteriza – e à sua ilegalidade – não é a natureza da atividade exercida e sim a relacão entre prestador de serviços e empregador. Querer tornar prostituição ilegal porque existem gigolôs ou bordéis abusivos é como querer tornar colher cana ilegal porque existem pessoas enganado ou forçando bóias-frias a realizarem o que constitui na concepção moderna trabalho escravo. E, adicionalmente, não seria justificado tornar ilegal o exercício autônomo dessa atividade (pelo menos nesse aspecto a lei brasileira é coerente). Pelo contrário, é exatamente a ilegalidade da profissão que permite que exista a exploração, escravização e tráfico de prostitutas. Uma prostituta, ao contrário de um trabalhador rural, não tem a quem recorrer quando ameaçada, pois se recorrer ao estado, apenas acrescentará mais uma entidade à lista daqueles que a vitimizam. A forma mais óbvia e simples de proteger as prostitutas de trabalharem sob ameaças ou coação seria simplesmente a descriminalização da atividade. Isso imediatante faria com que as prostitutas pudessem de fato serem ajudadas (ao invés de perseguidas) pela sociedade, e adicionalmente baixaria os preços dos serviços (pelo aumento da concorrência e diminuição do risco), diminuindo cada vez mais o incentivo para que se voltasse para essa área quem se sentisse muito agredido com isso.

O que nos leva ao primeiro ítem. Quão degradante é prostituir-se? Para começar, é evidente que mulheres diferentes reagirão de forma diferente. Cada pessoa tem uma personalidade e uma vocação. Mas no caso geral, o que é mais degradante, dar prazer a um estranho ou ser forçado a aceitar que um editor mexa aleatoriamente em um texto que você escreveu? Fazer sexo sem sentir prazer ou entregar para os clientes um programa de computador que você sabe que não funciona porque seu chefe mandou? Ser tocada intimamente por alguém que você não ama ou passar noites acordado estudando assuntos que você considera irrelevantes para poder ganhar um título ou passar num concurso? Fazer sexo por dinheiro é mais degradante do que ir ao dentista? Ao ginecologista? Do que passar fome no meio da rua e ver seus sonhos se desmancharem? Do que trabalhar como um cavalo e ganhar um salário mínimo? Do que ser garçonete? (Essa é respondida diretamente por *muitas* prostitutas com um ressonante “não”!) Mais ainda, pergunto : é mais degradante casar-se com um homem de quem você não realmente gosta para ter uma vida financeiramente segura ou cobrar abertamente de homens para prestar os serviços de que eles biológica e psicologicamente precisam? Especialmente nesse último caso, acho a segunda opção bem menos degradante para os dois lados. Além disso, assim como no caso por exemplo de homossexualismo, se eu escolho voluntariamente fazer coisas que outros acham degradantes para mim, isso é problema meu. Se outros quiserem me “ajudar”, me dar opções, fazer discursos ou qualquer outra coisa que não envolva coação, é escolha deles. Mas me forçar a seguir as escolhas que fariam no meu lugar é nada menos que totalitário e opressor.

Me parece que a humanidade, nos tempos modernos, cada vez menos consegue lidar com a questão de sexo de uma forma positiva e construtiva. Metade da sociedade trata sexo de forma cada vez mais despersonalizada e niilista, enquanto que a outra metade o trata de forma fóbica e hipócrita. Onde estão as pessoas que enxergam sexo como algo que envolve sim, sentimentos, compromisso e responsabilidade mas que ao mesmo tempo o vêem de forma natural e construtiva?

Sexo não é apenas sobre orgasmo. Se fosse, masturbação seria suficente e os homens não gastariam tanto tempo, dinheiro, esforço, saúde, paciência, dignidade e reputação cavando – muitas vezes desesperadamente – uma parceira sexual. Especialmente na sociedade ocidental moderna, sexo evidentemente também não é apenas sobre ver mulheres nuas – isso é trivialmente fácil, e novamente, claramente não é a questão. Desnecessário dizer que sexo também não é somente sobre ter filhos, ou ninguém veria qualquer sentido em fazer sexo quando filhos não pudessem ser um resultado, enquanto que evidentemente a maioria das pessoas toma extremo cuidado para que filhos não sejam um resultado. Etc, etc. O papel do sexo na psique humana é muito mais complexo do que tudo isso. Tem a ver com afetividade, com afirmação da identidade, com relações de poder, com necessidade de aceitação, com tantas coisas tão fundamentais que é difícil imaginar um ser humano mal resolvido sexualmente que leve uma vida plena e feliz. Grande parte dos psicanalistas do mundo provavelmente ficaria sem emprego se as pessoas pudessem simplesmente fazer as pazes com suas necessidades sexuais.

O que nos leva de volta à prostituição. As prostitutas não existem por acaso. Elas prestam um serviço que satisfaz necessidades profundíssimas e muito poderosas na psique humana. Desde que trabalhem voluntariamente, qual o problema? Por que uma atividade se tornaria *mais* degradante pelo fato de que alguém está extraindo prazer dela? O cliente acho que ninguém discute que está, mas é ainda mais fantástico ver os ultra-moralistas de plantão criticarem as próprias prostitutas por se entregarem à “luxúria”. É um discurso completamente esquizofrênico, e incompatível com sua suposta vitimização. Como se um boxeador (ou qualquer atleta realmente competitivo) não levasse seu corpo até os limites. Como se um guarda penitenciário não fosse submetido a intenso estresse psicológico. Como se um bombeiro ou policial não corresse risco de vida. Isso me parece altamente sintomático daquela lógica repressora masoquista de que se alguém está se divertindo, então algo está errado.

Acho que chegamos a um ponto de desenvolvimento social e cultural em que antigas leis tribais concebidas há milhares de anos não são mais uma base adequada para o nosso sistema de moral. Talvez em algum momento histórico tenha feito sentido enxergar a prostituição como perniciosa; não sei dizer. Mas hoje, me parece que isso não faz mais qualquer sentido. Diria ainda mais – a aceitação e a normalização dessa atividade vêm potencialmente a contribuir para amenizar vários dos desequilíbrios da sociedade moderna.

Enumeremos aqui algumas das forma como esse efeito positivo poderia ocorrer. Comecemos por alguns benefícios mais diretamente ligados à descriminalização para então prosseguir a outros associados a uma prestação mais ampla e disseminada do serviço de prostituição.

– Proteção das prostitutas contra abusos. A partir do momento em que prostituição não fosse mais criminalizada, e sim legalmente uma atividade profissional como qualquer outra – como babá, dançarina ou psicóloga – o problema de uma mulher ser “forçada” à prostituição diminuiria sensivelmente. Da mesma forma, seria possível organizar as condições de trabalho das que decidissem oferecer seus serviços através de uma agência ou agente. Só seria prostituta quem escolhesse, e em condições mais seguras de trabalho.

– Desmonte de estruturas mafiosas. Como toda atividade criminosa na qual tanto cliente quanto prestador de serviço estão interessador na transação (outro exemplo típico é o tráfico de drogas), a prostituição é notoriamente complicada de combater, e gera toda uma estrutura de poder paralelo (já que não é possível contar com a lei para garantir segurança e contratos). Isso deixaria de fazer sentido e passaria a funcionar como qualquer outro mercado de prestação de serviços.

– Queda dos preços, juntamente com melhora da qualidade e disponibilidade dos serviços. Sem a necessidade de altas taxas de lucro para compensar o risco associado à ilegalidade, assim como com o aumento da concorrência devido à possibilidade de se oferecer e anunciar abertamente os serviços (se bem que em lugares como o Brasil isso já é uma realidade na prática), é natural esperar-se uma queda de preços dos serviços prestados, juntamente com um aumento da qualidade, sem necessariamente uma correspondente diminuição da remuneração, já que de fato o custo de oferecer o serviço diminuiria, além de que a demanda aumentaria.

– Controle de doença sexualmente transmissíveis. Talvez contra-intuitivamente, isso provavelmente resultaria em um controle muito melhor da propagação de doenças sexualmente transmissíveis. Enquanto as pessoas recorrerem a pessoas aleatórias, que desconhecem e que não querem conhecer, premidas primariamente pela necessidade de satisfazer seus impulsos sexuais em situações muitas vezes absolutamente insensatas, é claro que haverá uma taxa muito maior de transmissão de doenças sexualmente transmissíveis. Ironicamente, é muito mais fácil controlar e regular esse tipo de problema quando se trata de uma profissional do que num encontro aleatório. Em tempos modernos, nos quais testes clínicos são baratos e imediatos, é possível facilmente acompanhar o estado de saúde de uma profissional. Já o mesmo não pode ser dito de alguém encontrado aleatoriamente. Adicionalmente, uma profissional em geral terá muitíssimo maior conhecimento e determinação em detectar doenças e precaver-se de contaminação do que uma pessoa aleatória.

– Diminuição do número de estupros. Esta é auto-explicativa. Claro que em grande parte das vezes o estupro é um ato de poder e agressão, não primariamente sexual, etc, mas mesmo assim – existem sim pessoas por aí desesperadas e/ou revoltadas por causa de sexo e um acesso mais universal e menos estigmatizado a esse tipo de serviço mitigaria o problema. Além disso, uma profissional de sexo não é o mesmo que uma namorada; ela poderia no caso geral com muito mais competência (por conhecimento e por estar sendo paga) satisfazer / desarmar de forma controlada os impulsos que desviassem do trivial simples.

– Controle de natalidade. Estamos chegando em uma época em que a humanidade simplesmente não pode continuar se reproduzindo nas taxas que historicamente manteve. Porém, nossa necessidade biológica e psicológica de sexo não se alterou em nada devido a essa conjuntura. Por imbecil que possa soar, uma quantidade substancial das pessoas ainda têm filhos não porque queira ter uma família mas sim como conseqüência colateral da concretização de seus impulsos sexuais. Seria bastante conveniente que tais pessoas suprissem suas necessidades sexuais sem superpovoar o mundo. Nos casos em que tal desejo sexual poderia ser expresso por qualquer pessoa ao invés de por uma parceira específica, uma profissional provavelmente realizará um controle de natalidade muito superior a uma mulher aleatória.

– Casamentos mais estáveis e fortalecimento da família. Existem muitos homens que aceitam ingressar num casamento ou iniciar uma família como forma de garantir uma parceira sexual. Eles não estão necessariamente entusiamadíssimos de vontade de terem filhos com aquela mulher, ou de partilhar uma vida com ela, mas sentem uma necessidade insufocável de terem uma parceira sexual. Nesses casos, a melhor forma de resolver o assunto não é se casar e ter filhos, e sim ter uma parceira sexual. O homens que seriam chantageados a terem uma família como forma de terem acesso a sexo provavelmente estarão mais bem servidos por uma profissional. Por outro lado, as famílias que de fato se formarem provavelmente estarão mais fortemente fundamentadas em interesses comuns, inclusive sexuais. E um homem não precisará desesperar-se em casar com “alguém” (gerando um casamento provavelmente frustrado que terminará em divórcio) por falta de uma parceira sexual. Poderá esperar com muito mais calma por uma parceira com a qual realmente haja uma relação de complementação mútua.

– Homens mais felizes. Existe uma quantidade substancial de homens em nossa sociedade que têm que passar extensos períodos lidando com a (em muitos casos extrema) frustração de não terem atendidas suas instintivas, naturais e saudáveis necessidades sexuais. Sejam quais forem os motivos para essa situação, ela gera uma grande quantidade de infelicidade, que transborda também para a sociedade ao redor.

– Mulheres mais gentis. Nossa sociedade atual pulou de uma situação na qual as mulheres tinham pouca independência política, social e sexual para uma situação diametralmente oposta na qual (especialmente nos EUA) elas têm efetivamente uma quantidade de liberdade superior à dos homens. Por exemplo, se uma mulher chama um homem para sair e ele não está interessado, a resolução normal é ele dizer que não está interessado e a vida continuar normalmente. Já se um homem chama uma mulher para sair e ela não está interessada, por ser que ocorra o mesmo, mas também pode ser que ocorra qualquer coisa desde uma (injustificável, ridícula, hipócrita, neurótica) reação de indignação, uma (cruel) reação de escárnio até, dependendo do contexto, um processo por assédio sexual ou por stalking. Isso tudo tem a ver com uma reação exagerada a uma prévia situação de opressão, mas também com um desequilíbrio entre os comportamentos sexuais femininos e masculinos que ficou muito mais evidente após a “revolução” sexual das décadas de 60/70 após a qual as pessoas se sentiram muito mais livres para perseguir relacionamentos sexuais precedendo ou mesmo sem pensar em casamento. Em nossa sociedade atual, uma mulher normal que deseje sexo (não estou falando necessariamente de relacionamentos) precisa apenas andar até o clube da esquina e esperar. Ja um homem que deseje sexo passa por um processo infinitamente mais desgastante. Diante disso, grande parte dos homens está disposto a aceitar *muita* besteira de uma mulher que seja (ou mesmo que poderia ser) sua parceira sexual. Isso corrompe o caráter de grande parte das mulheres, que se sente numa situação de poder, e abusa desse poder ao invés de agir com dignidade e respeito. Essa atitude se tornaria insustentável num contexto em que o acesso ao sexo fosse trivial. Mulheres antipáticas e rudes seriam simplesmente ignoradas.

– Homens mais sinceros e afetivos. Uma reclamação razoavelmente comum que se ouve no meio feminino é de que “os homens só estão interessados em sexo”. Ora, se eles tiverem acesso simples, seguro e garantido à satisfação de seus impulsos sexuais instintivos, buscarão relacionamentos não profissionais com outras mulheres primordialmente por motivos mais afetivos, como companheirismo e amizade, não apenas para conseguir sexo, ao qual já têm acesso fácil. Isso me parece ser altamente benéfico para ambos os lados.

A novilíngua manda lembranças

Starbucks Job Sign

Aqui em Nova York – e nos Estados Unidos em geral – existe já há um bom tempo um movimento muito forte de tentar reconstruir as relações sociais através de manipulação do vocabulário. De repente, certas palavras se tornam proibidas, outras se tornam obrigatórias, e no processo algumas mudam artificialmente de significado. Eu cheguei a colocar aspas em “proibidas”, mas voltei atrás. São proibidas mesmo, do tipo se você as usar haverá conseqüências. Aliás, uma parte interessante do fenômeno é justamente essa : a obrigatoriedade de seguir certas normas vocabulares não escritas não é necessariamente – nem sequer usualmente – forçada pelo governo, mas pela sociedade, que pune exemplarmente os desviantes com perda de credibilidade, lucros, emprego, votos, e se isso não funciona às vezes até mesmo com violência direta.

Porém, além dos exemplos mais óbvios e politicamente importantes disso, existe paralelamente uma miríade de outras manifestações mais rasteiras que ocorrem em contextos cotidianos e que muitas vezes até mesmo passam despercebidas. Isso tudo é muito bem pensado e não ocorre por acaso. Há pessoas cuja profissão é especificamente conceber tais intervenções. A estratégia básica é a mesma de sempre : alterar o nome do fenômeno que incomoda para algo cuja acepção padrão seja positiva e/ou com significado oposto ao fenômeno em questão. Que isso seja retirado diretamente de George Orwell ou intrinsecamente mentiroso não parece incomodar muito os mentores intelectuais de tais disparates.

Enfim, estava eu outro dia no Starbucks quando vi o cartaz acima, e achei-o tão representativo disso tudo – e ao mesmo tempo tão surrealmente autocontraditório – que tive que fotografá-lo e fazer um comentário sobre o assunto. Essa besteirada sobre “Around here, everyone’s title is Partner” já seria em si mesma exemplo suficiente, mas isso é tão evidentemente falso e hipócrita que o próprio cartaz se encarrega de expô-la em sua última linha “Ask a manager how you can apply today”. Note que eles não dizem algo um pouco mais modesto / honesto / defensável como “Around here, everyone is a partner”, caso em que a tese (questionável, mas vá lá) seria de que o gerente, o vendedor, o sujeito que varre o chão e o dono seriam todos sócios da mesma empreitada, etc. Não, eles fazem questão de dizer que “Everyone’s TITLE is Partner”. Certo… então acho que vou pedir um emprego no Starbucks ao sujeito que varre o chão. Não, não, você tem que pedir ao gerente. Ué, mas não são todos “sócios”? Ah, sim, mas tem o “sócio” que gerencia, o que fica no caixa, o que varre o chão, entende? Apenas com salários diferentes, responsabilidades diferentes a atribuições diferentes. Ceeeerto. E se nós formos realmente LER o texto, outras ironias aparecem, como “eligible partners” (que eles não explicam quais são) e “who work at least 20 hours a week”. (Mas quem trabalha menos do que isso também é partner, entende? Só não tem direito a nada do que está listado aqui.) Enfim, tudo muito bonito, mas em bom inglês, phony. Transbordantemente falso. Evidentemente não sincero se você para 5 segundos para examinar a real dinâmica das relações de trabalho.

Será que isso não importa? Eu digo que importa e muito. As pessoas estão sendo bombardeadas com doublethink e em grandes quantidades já o introjetaram. Enquanto isso Winston Smith, em 1984, vive sua esquálida existência como cidadão de um país em guerra perpétua ocupando um deprimente apartamento de um cômodo localizado num complexo chamado – ta da – “Victory Mansions”.

Aproveito para fazer um comentário completamente aleatório : essa regra de inglês sobre colocação de ponto final em frases que terminam com aspas e que gera belezas como

Around here, everyone’s title is “Partner.”

não faz nenhum sentido.