O que é maturidade política?

Publicado originalmente em OrdemLivre.org.

Texto inspirado por On War and Apocalypse, de René Girard.

Há mais ou menos oito anos eu trabalhava numa empresa de internet. Um belo dia, um dos meus colegas começou a falar veementemente contra um político brasileiro, famoso por sua corrupção. Sem crer nem descrer da corrupção do político, pedi que um de seus crimes fosse enumerado. Apenas um. Ou que ele me apresentasse um dado qualquer. Se o político roubou, quanto roubou? Não tive resposta. Mas a certeza de meu amigo também não pareceu ficar abalada.

Não digo o nome do político para preservar o argumento. Considerando o senso comum brasileiro, se eu dissesse a alguém que por um momento apostei na inocência dele, até meus amigos passariam a achar que não estou bem da cabeça. Repito que nem aposto, nem desaposto: só queria algo mais concreto. Uma acusação mais profissional, digamos assim. Não tenho por que ficar abalado com a presunção de culpa. Sei que a desaprovação de quem acusa assim, amadoristicamente, é a mera reprovação da turba de linchadores que descobre um desertor. E que esse desertor é o próximo candidato ao linchamento. Afinal, se chega a cogitar que o culpado é inocente, deve ser culpado também.

Essa é uma constante da vida brasileira. A imprensa levanta fatos. Solta acusações. Nada acontece. Barbárie? Não, claro que não. Barbárie é querer fazer justiça sem o Poder Judiciário. Se o Poder Judiciário é corrupto, é outra história. Mas é claro que é corrupto. Assim como eu sou corrupto, e você também, e todos nós que temos certeza da corrupção de outra pessoa sem sequer saber exatamente o que foi que ela fez. Ficar admirado com a corrupção humana (e o governo é uma coisa humana) é ingênuo demais. Isso, na melhor das hipóteses. Porque admira-se com a corrupção aquele que se julga puro. Puro o suficiente para dirigir as vidas alheias. As vidas corruptas. A minha vida. Não quero, obrigado.

Mas voltemos. É fácil ver que a longa sequência de acusações que não dão em nada cria uma frustração. Eugen Rosenstock-Huessy diz em A origem da linguagem que a ordem cria uma “taça de tempo” que é preenchida pelo relatório. “Faça.” “Fiz.” Cada acusação é como uma ordem ao governo. “Puna.” Porém, o governo não aceita ser pautado pelo jornalismo. Posso compreender. Só não posso deixar de observar que a expectativa fica no ar, e do ar nunca sai. Quase nada acontece. Poucas vezes há investigação. Meu colega não sabia qual o crime do político. Acostumou-se a vê-lo acusado tantas vezes que, mesmo que nada acontecesse, já sabia que ele era culpado. As autoridades competentes nada disseram.

Quem deve cair em descrédito? A autoridade que se recusa a ser o braço dos linchadores, ou o linchador que levanta falso testemunho? Para o linchador, a autoridade não preenche a taça de tempo. Suas palavras de ordem caem no vácuo. A linguagem se despedaça. Nada significa nada. Para a autoridade, o linchador é um mero possesso que não deve ser levado a sério.

A situação fica ainda mais grave por causa do seguinte. Enquanto todos falavam da corrupção de um outro político, o bairro onde moro sofreu uma onda de eventos extraordinários de violência: em poucos dias, tivemos um arrastão num túnel e um sequestro numa cobertura. De onde vem a famosa sensação de impunidade? Da percepção clara de que os culpados não são punidos. Todos tinham certeza de que o político era culpado. Até — talvez mais do que qualquer um — o ladrão deveria ter essa certeza. “Sou culpado, mas também o figurão, e nada acontece com ele; se acontecer comigo, é uma maldade arbitrária.” A punição seguida dos culpados (com ou sem aspas) acabaria com a sensação de impunidade. Haveria um deslocamento da violência que provavelmente beneficiaria as pessoas comuns, que não precisariam mais disputar seus pequenos e grandes bens com pequenos ladrões.

Então, temos muita maturidade política porque nos recusamos a fazer com que o governo se torne braço armado de linchadores, ou não temos maturidade política nenhuma porque nos recusamos a aceitar que a única maneira de ter paz social é satisfazer a esses linchadores?

Autor: Pedro Sette-Câmara

www.pedrosette.com