Ainda o ceticismo político

Sempre me irritei ao ler estes críticos que lastimam o fato de a juventude não crer mais em utopias e não seguir ideologias. Não será muito menos nocivo à humanidade que gerações inteiras preocupem-se apenas em enriquecer e ter uma boa vida, em vez de querer criar gigantescos aparatos burocráticos para forçar goela abaixo dos refratários coabitantes do planeta seus sonhos de “um mundo melhor”? Quando você pensa nos planos de criar um mundo novo – URSS, Cuba, Alemanha nazista – você não vê que eles só trouxeram destruição e horror? Que o caráter de um homem é no mais das vezes inversamente proporcional à bondade que ele declara ter?

A cada nova eleição estes mesmos críticos vêm lamentar a desilusão do povo com a classe política. Ao mesmo tempo outros vêm celebrar a “consolidação” da democracia brasileira. Pois eu penso que a democracia brasileira estará efetivamente consolidada quando a falta de fé e a desilusão com a política forem dados de senso comum, quando a maioria julgar que esta é a atitude de um homem normal e sadio; quando for natural fazer piadas sobre como as pessoas que acham que “o político X vai mudar alguma coisa” também devem esperar D. Sebastião ou acreditar que Júlio César era mesmo bisneto de Vênus.

Autor: Pedro Sette-Câmara

www.pedrosette.com