No aniversário de Bruno Tolentino

Hoje Bruno Tolentino completa 66 anos. Digo sem pudor: creio que é o maior poeta vivo da língua portuguesa.

Hoje há em português muita coisa interessante de se ler, muita coisa bem feita, esmerada, é verdade. E há ainda aqueles livros cujas resenhas falam da “fragmentação do homem contemporâneo”, de “margens” e “rupturas” e que o autor “propõe uma visão de mundo em que…”, livros que podem valer uma tese de mestrado mas não proporcionam prazer a ninguém. Mas se você quiser ler poemas contemporâneos que têm música, poemas que grudam no seu ouvido e que você fica recitando para si próprio, pode ir à obra de Bruno Tolentino.

Novidade: clique aí embaixo para me ouvir recitando o poema. Dura mais ou menos um minuto.

[audio:inpassim.mp3]

In passim

Bruno Tolentino. O mundo como idéia.

São Paulo: Globo, 2002. p. 250

Tudo vai-se acabando, tudo passa

do que é ao que era. É tudo mais

ou menos uns vestígios de fumaça

no espaço do que deixas para trás.

E tudo o que deixaste ou deixarás

de manso ou de repente, sem que faça

diferença nenhuma no fugaz,

é assim como a garoa na vidraça:

intimações de lágrima delida.

Não valeu chorar nada. Nem te atrevas

a lamentar-te à porta da saída,

pois pouco importa a vida como a levas,

que ela te leva a ti, de despedida

em despedida, a uma lição de trevas.

Autor: Pedro Sette-Câmara

www.pedrosette.com